Ensaios

Um grito distorcido que ecoa no Tempo: 29 anos de Lacrimosa

Autor(a): Maschereri | 6 de fevereiro de 2019 | 10:31

Não é todo dia que uma banda completa seus 29 anos corridos na ativa, ainda mais uma banda independente de uma subcultura tão estigmatizada como a Subcultura Gótica – Mas o duo germano-finlandês Lacrimosa acaba de fazer exatamente isso.

Tudo começou por volta do ano de 1990, Quando o alemão Tilo Wolff, natural de Frankfurt, lança sua demo – uma fita cassete, que recebeu o nome Clamor – contendo duas faixas escritas, compostas, arranjadas, orquestradas, cantadas, executadas e produzidas pelo próprio Tilo. Na época, foram feitas cerca de 100 cópias ( o que torna essa demo um objeto de colecionador absoluto entre os fãs da banda).

A demo Clamor foi feita inteiramente por Tilo Wolff – das gravações à capa!

Mesmo com a pequena tiragem, Tilo e seu projeto alcançaram uma certa popularidade na cena gótica alemã de Frankfurt, porém, alguns obstáculos apareceram: Devido a dificuldade de se conseguir patrocínio e principalmente a falta de liberdade oferecida pelos selos de gravação, o artista optou por fundar sua própria gravadora, a Hall Of Sermon, o que possibilitou o lançamento do primeiro álbum de estúdio, Angst (Medo) em 1991. No ano seguinte, Lacrimosa lançou seu segundo álbum, Einsamkeit (Solidão), que possui uma sonoridade parecida como primeiro álbum, mais puxada para o Gótico e até mesmo para o clássico, o que ficaria mais claro em seus álbuns posteriores.

O primeiro show da banda se realizou em 1993, para uma platéia de dez mil (DEZ F*CKING MIL) pessoas na cidade de Leipzig, na Polônia, o que deu iniciou a expansão internacional da Lacrimosa.

Tilo wolff em Leipzig, 1993.

No mesmo ano, o álbum Satura  veio à público, e durante a turnê de divulgação deste novo álbum, Tilo Wolff encontrou Anne Nurmi, finlandesa natural de Tampere, que na época era integrante da banda de gothic rock Two Witches. Encantado com o talento da moça, Tilo logo a convidou para integrar o Lacrimosa como tecladista e também vocalista a seu lado, sendo os dois, desde então, os únicos membros fixos da banda.

Daí em diante, todos os álbuns passaram a ter canções não só em alemão, mas também em inglês ( sendo a maioria composições de Anne) e em raros momentos, como nas musicas Schakal e The turning Point, em finlandês.

Anne Nurmi, 1994

Nos anos seguintes, a banda lançou Inferno em 1995, álbum de estréia de Anne, Stille (Silêncio) em 1997 e Elodia, álbum de 1999, que foi gravado no Abbey Road Studios em Londres (Sim, aquele dos Beatles!) com ajuda da Orquestra Filarmônica de Londres.

Gravar no Abbey Road Studios não é pra qualquer um, hein?…

Elodia, assim como um de seus sucessores Fassade (Fachada – 2003), são álbuns extremamente sinfônicos, uma marca que a banda foi adquirindo com o passar do tempo. A característica mais marcante da sonoridade da Lacrimosa é justamente o flerte constante com outros gêneros musicais, indo do erudito ao prog rock em questão de minutos.

Já o álbum Echos (Ecos – 2001) é marcado pela influência latina, como pode ser percebido na faixa Sacrifice,um dos destaques do álbum.

O próximo da lista, Lichtgestalt (Criatura de Luz – 2005), é um álbum especial por vários motivos.

Mesmo que mantenha a pegada clássica + rock, o álbum conta com uma sonoridade diferente, que não acompanha a autocrítica social de Fassade nem a epifania instrumental de Elodia, mas torna-se único e necessário, por celebrar um término e anunciar um renascimento, seja musical ou sentimental.

Logo após o lançamento de Lichtgestalt, a banda lançou um documentário/CD live chamado Lichtjahre (Anos-luz ) para celebrar o aniversário de 15 anos da Lacrimosa, que documenta todos os bastidores e a turnê de mesmo nome, além dos day-offs e momentos especiais com os fãs.

Da esquerda para a direita: Yenz (Baixo), Jay P (Guitarra), Tilo, Anne, Dirk ( ex membro – Guitarra), Manne ( ex membro – Bateria)

Já o próximo álbum, Sehnsucht (Desejo – 2009), marcou a volta da banda para os temas sombrios que eram tão recorrentes no começo da carreira, o que resulta não apenas em um álbum mais carregado como também mais sentimental e sombrio, porém, sem no entanto soar como seus álbuns iniciais.

Seus últimos 3 álbuns, Revolution (Revolução – 2012), Hoffnung (Esperança – 2015) e Testimonium (Testemunho – 2017) se aproximam cada vez mais do Gothic Metal, o que fica claro não apenas na sonoridade da banda mas também pelo visual dos membros. Revolution é um verdadeiro manifesto contra o mesquinho comportamento humano, suas intromissões na vida alheia e senso destrutivo e Hoffnung representa a esperança de algo novo que está por vir. Já o ultimo álbum da banda, Testimonium, é um tributo a todos as lendas que nos deixaram nestes últimos anos, como David Bowie e Leonard Cohen.

Mas não é apenas pelo visual e pela música que esse duo se destaca: as capas do CD, quando postas lado a dado, contam uma história – literalmente!

Ainda no primeiro álbum, somos apresentados a um personagem itinerante sempre presenta nos encartes e artes dos discos: O Arlequim. Segundo o próprio Tilo Wolff em entrevista, o Personagem Arlequim seria uma representação dele mesmo, uma espécie de alter ego artístico, que passa por situações novas a cada CD. Em Angst, o arlequim se encontra em seu circo, mas já no segundo ato, o circo se foi e ele se encontra sozinho.

A história do Arlequim, em 21 atos.

A história segue, com novos personagens, como Satura, a mulher do disco Satura, que representa uma amada do passado do Arlequim, e Elodia, a semideusa do amor que aparece no disco de mesmo nome, que representa Anne Nurmi.

O disco Elodia tem uma história fechada nesse sentido. Também chamado de “Uma ópera rock em três atos”, o álbum nos mostra a história de amor entre Arlequim e Elodia, a euforia inicial, o amor, o desgaste, a separação emocional até finalmente a separação completa, que é simbolizada pelo Arlequim carregando Elodia morta na capa do álbum.

No disco Lichtgestalt, o Arlequim renasce, como um novo personagem, disposto a mudar tudo, o que culmina na capa do álbum Revolution, e na esperança de Hoffnung.

Lacrimosa é uma banda energizante e Tilo é um frontman de categoria – ele se doa no palco. E quanto a Anne, é uma simpatia e uma doçura incomparável, dentro e fora do palco. Vale o esforço de ir ao show. São pouco mais de duas horas de muita alegria, diversão e boa música, assim como um ambiente incrível que é proporcionado pelos fãs – Afinal de contas, um dos maiores fã-clubes deles se encontra aqui no brasil, o Lacrimaniacos Brasil, que vem fazendo um trabalho de divulgação pesado e certeira há muitos anos, reconhecido até mesmo pelos próprios integrantes da banda.

Tilo, Anne e companhia vêm ao Brasil no dia 31 de março desse ano para uma turnê comemorativa, com sucessos de toda a carreira em apresentação única. É uma oportunidade imperdível de ver uma das maiores bandas do gênero que ainda estão na ativa em ação e com força total!



Maschereri

Maschereri

Teórica da Conspiração, tiete de vampiro, trevosa lacrimaníaca e Historiadora (ou quase) nas horas vagas. Cresceu lendo quadrinhos do selo Vertigo e assistindo séries de criminalística e alienígenas. Provavelmente já leu 3/5 das fanfics oldschool de Arquivo X.


Deixe o seu comentário!

Pular para a barra de ferramentas