Ensaios

Perfil Psicológico da Mulher-Gato

Quadrinhos
Autor(a): Leonardo Gianetti | 22 de março de 2019 | 12:50

Nome: Selina Kyle Sexo: F    Paciente: 2,506AA

Nome do Pai: Brian Kyle     Nome da Mãe: Maria Kyle

Naturalidade: Gotham, USA    Grau de Escolaridade: Elementary School, ao que se sabe.

Sua história:

            É muito difícil criar o perfil psicológico de personagens em quadrinho, PRINCIPALMENTE da DC Comics, que passam por inúmeras mudanças de origem. Mas escolhi a versão de Frank Miller, apenas por ser a melhor de analisar.

            Sua história começa com uma infância muito conturbada, filha de Brian e Maria Kyle, irmã de Maggie, Selina sofria diariamente. As duas irmãs não tinham a atenção da mãe, que preferia cuidar dos gatos. Enquanto seu pai, sempre bêbado, agredia tanto a mulher quantos as filhas. Sua mãe não aguentou e cometeu suicídio e tempos depois seu pai acaba morrendo ao ingerir altas doses de álcool.

Selina e Meggie vão para o orfanato, mas Selina foi mandada para um reformatório logo em seguida, pois dava bastante trabalho no orfanato. Ao fazer 13 anos, ela volta ao orfanato e descobre que os diretores deste local estão desviando dinheiro. Eles tentam matar Selina, mas ela consegue escapar, e vai para as ruas de Gotham. Começa a se prostituir, mas sempre que podia cometia assaltos e furtava casas da alta sociedade de Gotham, até que acaba entrando para um grupo de artes-marciais. Ali, Selina desenvolve suas habilidades como ladra, flexibilidade e a capacidade de combate.

            Em uma noite ela descobre onde o Batman se encontrava e, ao avistá-lo, sente que pode fazer o mesmo que ele: criar medo e inspiração, adotando assim o nome Mulher-Gato.

Análise

            Aparentemente esta personagem desde sempre demonstra traumas de sua infância causando alguns sintomas como, dificuldade de confiança, ser muito independente, até uma dificuldade de seguir certas leis. Isso faz com que suas atitudes sejam contraditórias. Aparentemente está sempre relacionada a roubos e assaltos, mas de alto padrão, desde casas de ricos até lojas de joias. Existe certo senso de justiça próprio, pois por mais que cometa atos criminosos, não chega a prejudicar inocentes. Sua identificação como Mulher-Gato inicialmente parece ter relação com os gatos que sua mãe cuidava. Ao observar como os gatos se comportam, Selina pode ter internalizado seu desejo de atenção da sua mãe, desejando ser aqueles gatos, mas sem ser um deles, assim seu desenvolvimento se tornou semelhante dos felinos, com bastante flexibilidade, noturnos, difíceis de educar e com atração a objetos brilhantes.

            A progressão de sua história contribui para esse desenvolvimento peculiar, ao adentrar numa academia de artes-marciais quase finaliza a imagem da Mulher-Gato, mas o fator crucial foi à identificação com o Batman. Esta identificação genuinamente forte é visível até hoje, mas ao mesmo tempo sua falta de confiança atrapalha em sua relação com o Cruzado Encapuzado, traindo muitas vezes sua confiança, mas quase que de imediato se arrependendo completamente, algo que ela não costuma mostrar, mostra sua ambivalência. É também uma forma de mostrar seu pensamento, onde por mais tente fazer o que acha certo (o certo ser representado pelo Batman), não consegue deixar este seu lado criminoso para trás (o que reforça minha suspeita no paragrafo abaixo). Não possui nenhum poder especial, mas seus sentidos e habilidades são tão aguçados que quase achamos que ela tem DNA de gato mesmo.

            Suspeito que Selina Kyle sofre de Cleptomania. Seus atos criminosos se resumem a furtos, não costuma criar vítimas, suas artes-marciais são mais para autodefesa e fuga, do que agressão e assassinato. Ela possui sim alguns casos de homicídio, mas ela diz ser por raiva ou defesa de terceiros. Seu comportamento sedutor leva-se em conta de suas habilidades de roubo e furto e mesclar-se em eventos da alta sociedade. Normalmente seus atos são mais relacionados a objetos preciosos, como diamantes, acessórios e até mesmo informações restritas que ela possa vender por um preço amigável (para ela).

            É preciso tomar cuidado ao falar com ela, por mais que não demonstre perigo inicialmente, sua lábia é contagiante, enganando até os mais preparados. Não se aproxime demais, algo sumirá do seu bolso.

Porém, a Mulher-Gato é considerada uma anti-heroína, em alguns momentos que ela fica sujeita há uma escolha, como por exemplo, escolher entre salvar uma vida e receber 10 milhões em diamantes, ela escolhe salvar alguém em perigo, demonstrando que ela não é má, apenas foi educada a sobreviver nas perigosas ruas de Gotham City, que, convenhamos, não é o melhor lugar pra se viver.

Com o passar dos anos a história de Mulher-Gato foi se alterando, sendo incrementados, cada vez mais novos detalhes, difíceis de acompanhar ou de analisar Às vezes sente-se que é impossível manter a sanidade neste universo, porém sua essência não mudou muito, com as mesmas dificuldades de confiança, seus atos ainda são criminosos, mas mantendo sempre sua própria justiça.

Das palavras de própria anti-heroína: “Não quero nunca depender de alguém, exceto eu mesma. Irei aonde eu quiser, tomarei o que eu quiser e nunca, jamais olharei para trás”.

Referencia:

DSM-V, Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais 5.ª edição.

Edição: YahVarella

Avatar

Leonardo Gianetti

Um Mochileiro, estudando a psicologia da mente daqueles que não entenderam o final de Lost. Sou definitivamente um Louco com um Caixa. Dentro do Ciclo da alquimia exerço minha ética.


Deixe o seu comentário!

Pular para a barra de ferramentas